Mixikó

"Apesar de tantas provações, a minha idade avançada e a grandeza da minha alma fazem-me achar que tudo está bem." Sófocles, Édipo

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa

"Esse Universo enfim, sem dono, não lhe parece estéril nem fútil. Cada grão dessa pedra, cada estilhaço mineral dessa montanha cheia de noite, forma por si só um mundo. A própria luta para atingir os píncaros basta para encher um coração de homem. É preciso imaginar Sísifo feliz". Camus,O Mito de Sísifo

sexta-feira, junho 30, 2006

Bom fds a todos...


E para que não fiquem com ciúmes do ilustre rpm...aqui vai o meu carinho, para cada um/a:

hum,Arqueólogo,my dear friend anonymous,p,cookie,tardor,martita...



Clau,grilinha,Patriciacosmictarot,
Avalon,Gambozina








S&M,Mystic,melody,






docinho,Anita,Tixa,







noite,100 stress,sandraj.




Obrigada a todos pelo carinho...
Se me "esqueci" de alguém, perdoem-me...é o cansaço

Caricato...ó para mim, tão sogadita...

Ontem na Faculdade, estava eu sozinha no Bar de baixo, a ver as sopas e pizzas, quando um rapaz aproxima-se e diz:
- vais comer sopa e pizza?Como é que consegues manter esse corpinho?
E eu olhei para ele e nada lhe disse. Depois perguntou: - como é que te chamas? Podemos ser amigos? (Eheheheheheheheh”podemos ser amigos?” ahahahahahahhaahhahahahah, nunca tinha ouvido uma abordagem assim…)
E eu olhei para ele e ….Quem adivinha o que eu fiz/disse?

Next…o que faz uma breve troca de palavras…o que faz uma pessoa ficar mais próxima de outra…o que faz, haver algo em comum…
Tenho um colega de grupo, na Fac, que era um pouco arrogante na sua postura.
No intervalo quando íamos ao café, distanciava-se de todos nós, falava pouco e de uma maneira autoritária.
E perguntam: então prq raio ficou no teu grupo? Por mera disposição da sala.
Então na semana passada, íamos 4 no elevador, a combinar um dia p o trabalho de grupo…e só se ouvia ele dizer, muito seco:
Eu n posso.Vou para baixo, nesse dia não contem comigo.E blá blá blá geral.Ao q eu pergunto: p baixo, onde?-Portimão.
Eh pá…eu tmb sou de lá…moro no sitio tal, mas passo a vida em Alvor, do q na Rocha…Ele muito seco, ai é (tipo ,e eu com isso?)
E eu: de q sitio de Portimão? (e eu a dar-lhe, e o gajo respondia-me com ar de enjoado)
Dos…..E eu…nã (super entusiasmada, conseguem imaginar o quadro?Eu entusiasmada e ele com ar enjoado)
Eu morei lá, antes de ir para a ….
Dito isto o enjoado abriu os olhos e perguntou: - quem conheces lá? E eu..o …e .. e a…e a…. e o….éramos todos do mesmo grupo.
Mal acabei de dizer os nomes..o sorriso dele abriu-se qual flor de lótus…e disse-me: então conheces o meu irmão, é o ……
Eheheheheh, então n conheço. Respondi. E pronto, ele desfez aquela postura arrogante e passamos o tempinho do café, só os dois, na conversa.
E ontem, quando ele me viu a chegar à Fac, fez-me uma grande festa.E pronto, o rapaz afinal n é nada como eu pensava…ou até é, n sei, mas comigo deixou de ser…

Outra…estava eu numa livraria, a ouvir uma cena caricata.
Um senhor a perguntar se tinham o livro x…nangatamamukapa…
E a rapariga da livraria ao computador: pode repetir o nome do livro p.f.?
E ele: nangatamamukapa…e ela: a escrever não sei o quê no computador, devia ser tudo menos o nome do livro.
Voltou a perguntar: sabe o autor? É que com esse nome não encontro.(ahahahahah)
E o senhor: zambabapangakana (estou a inventar, porque não se percebia era nada)
E a rapariga: pode repetir p.f. Ao que ele repete. E ela, pois, não há cá nada.
E ele: Obrigado.
Ehehehehehehahahahahahah…desculpem lá, mas como é a q miúda sabia que estava a escrever bem o nome quer do livro quer do autor?
Se não se percebia nada do que o homem dizia?Não tinha sido melhor e útil pedir para o senhor escrever? Foi lindodoooo o esforço zero dela…enfin…
beijosssssss per tutti

quinta-feira, junho 29, 2006

Onde é, onde é?


mas...mas...mas...mas...então está a dormir?


O fds está quase a chegar...pudesse eu ter outro igual ao do fds passado...num cantinho maravilhoso, num Hotel maravilhoso, numa praia maravilhosa e o mais importante de tudo...com a companhia do maridão e do meu pequeno tesouro Tomás...que bem que soube uma escapadinha aqui tão perto, para relaxar...não, não vou trocar a MINHA praia de Alvor...foi só por ser mais perto, o cansaço não permitiu ir mais além...Quem adivinha então, que praia é esta?Ah, em jeito de brincadeira aqui têm uma foto, cujo titulo seria: Portugal no seu melhor... eheheheheh, o nadador salvador a dormir...estava tudo bem vigiado...

quarta-feira, junho 28, 2006

O que olha ele...e porque chora ela?


terça-feira, junho 27, 2006

...

Fui ver uma Peça do meu Professor- Bruno Schiappa- no Centro Cultural do Cartaxo na sexta...adorei...faz-nos questionar uma série de coisas...todos os elementos do grupo tiveram um trabalho intenso de corpo e voz...O espaço é maravilhoso, muito elegante e o palco, um desafio para quem o pisa. Parece que vamos fazer uma reposição da nossa Peça do Chapitô lá...quando tiver mais informações digo.

Nessa noite, depois do teatro, fui com uma amiga levar a linda e doce I, a uma festa...bateu-lhe a timidez à porta e como eu conhecia o anfitrião, não me importei de a levar à porta e aproveitar para dar um alô...era uma pessoa que eu já não via... sei lá...devem ter passado uns 6 anos e eu dizia que ele não se lembraria de mim...óbvio...mas, qual não foi o meu espanto, quando o vejo ele faz-me uma festa, e dá-me um grande abraço.E a minha doce I dizia: "ela pensava que já não te lembravas dela". Foi e é, um professor de Teatro que conheci, antes de ter o Tomás.Fiquei encantada por revê-lo, porque ele se lembrou de mim e perguntou logo pelo meu filhote...achei o máximo...achei ternurento...na hora da despedida ele perguntou se ficava para a festa, eu disse que não claro...e virou-se para a minha amiga e disse:-"voce fica?" E ela também não ficou. Cá fora na rua, ela disse-me que tinha ficado encantada com ele...sem a conhecer de lado nenhum, foi convidando para ela ficar na festa dele, assim olhos nos olhos, de coração aberto.Ele é mesmo assim...é um encanto de pessoa...é sempre bom sentir que as pessoas são verdadeiras, na sua maneira de ser e estar na vida...quando digo verdadeiras, falo destas pessoas que não falam por falar, que não agem por interesse...que não convidam à espera de aceitar um não, que não dizem: aparece, desejando no fundo que nunca apareçam,que são genuínas...que têm uma boa energia...e isso sente-se, non é vero?

Mais...estou à beira de um ataque de nervos...lol...já passa.Fico por aqui...beijos per tutti

sexta-feira, junho 23, 2006

Psssssttttttttttt...

Lembram-se de um post em que eu falava do Sr. Fernando?O que trabalha num Restaurante que eu costumava ir?Então, ontem fui lá...finalmente...com a linda s&m e o grupo.E fiquei comovida com o Sr. Fernando. Assim que ele me viu sentada, disse ao grupo: - "esta menina, no outro dia deu-me uma grande satisfação.Porque passou por mim na rua, e além de me cumprimentar ainda me chamou pelo nome.Não se esqueceu do meu nome".
Eu tinha razão, quando senti que ele ficou de certa forma orgulhoso por isso na altura...essa coisas sentem-se, não é vedade?
Um grande aplauso para todos os Sr.(s) Fernando(s) que andam por ai...que se deliciam com estas pequenas coisas, que lhes preenchem a alma.
Beijos per tutti

quinta-feira, junho 22, 2006





Às vezes, mais vale...







Ingrid Bergman



estar calada e quieta...

quarta-feira, junho 21, 2006

Simplesmente...Bogart

Curtas...quem é como quem diz...longas

Desculpem lá a futilidade da questão, mas porque raio é que certas mulheres que não sabem andar de saltos, insistem em fazê-lo?Não conseguem ver a maneira ridicula que andam...querem ser elegantes, assim?Caroço....pronto, ja´estou calma...eheheheh

Ontem, fui a primeira a entrar na sala de aula(foi a primeira vez, eheheheh) e vira-se a minha colega(aquela que gosta do meu ar de desprezo, quando entro na sala) e diz-me: - não podes chegar antes, e o teu ar de desprezo?Agora devias sair e voltar a entrar.
-Não me faças rir
-A sério, adoro esse ar que fazes, tipo "lá venho aturar estes cromos"
Estou feita com ela, é muito cómica e ontem em plena aula, fez-me dar uma gargalhada descomunal e o Prof até ficou a olhar para mim...ela não parava de dizer que o Prof era um granda cromo e que ela não queria ser cromo assim e que por isso preferia não perceber de cálculos e blá blá blá...é engraçada ela, muito rebelde.

Conheci um rapaz no outro dia, nos copos (leia-se café, ehehehhe)depois da Peça do Chapitô, um rapaz brasuca...muito interessante e arrisco a dizer para brasuca...peço desculpa, tenho muitos amigos brasileiros, mas verdade é que muitos são conhecidos pelo blá blá blá da treta e não há pachorra...este, pelo contrário, gostei do moço...estava ligado à meditação também e falava-nos, da mãe dele que vivia no Brasil e dos cursos que o incentivou a tirar nessa área... e às tantas, entusiasmou-se e mostrou-nos a foto "de mamãe"...parecia a irmã dele...tão linda e tão nova e eu pedi-lhe para mostrar a foto lá a uma pessoa do grupo, mas ele não foi nessa...disse que não tinha nada a ver.Tinha toda a razão, nem sei porque me ocorreu isso, talvez pela maneira que ele falou da mãe, de uma forma tão ternurenta e orgulhosa que achei que merecia mostrá-la "ao mundo"...e no final da noite ele perguntou-me: - vai para casa?Mora sozinha, com marido, filhos?Com marido e filhos, respondi...e ele: - é bom né, maravilha voltar para casa ao fim do dia e encontrar a nossa família.
Eu achei fabulosa a maneira com que ele deu a volta à questão, perdoem não quero ser presunçosa, longe de mim...mas aquilo pareceu-me uma cantada (como eles dizem), mas de uma forma tão delicada de alguém que não se quer meter em trabalhos e perder tempo... foi uma maneira delicada que ele encontrou de saber se eu era comprometida ou não...foi com a ideia que fiquei...e eu achei o máximo, porque 1º foi direto ao assunto e depois soube acabar em grande...foi a primira vez que conheci um rapaz brasileiro assim...parecia mesmo uma cantada, até podia não ser isso, mas se foi, foi com muito estilo...raramente acontece, os brasileiros que conheci que me deram cantadas, eram muito...como hei-dizer, davam vontade de rir, pela negativa claro...nem sequer lhes passaria pela cabeça, se achassem alguém interessante, perguntar se tinham alguém nas vidas delas...e muito menos acabar assim em grande.., sem mostrar a verdadeira intenção da pergunta...nota 10 para o moço pela sua maneira de estar na vida.


E para finalizar, deixo-vos este belo quadro...
da minha querida Clau...http://o-cantinho-da-cloinca.blogspot.com/

"Não o vou traduzir, para não lhe tirar uma pitada sequer de toda a beleza que tem!
Mais: este poema foi escrito por uma menina invisual (chilena), com onze anos. Como é possível uma criança tão pequena ver a vida deste modo? Tantos adultos que não o conseguem fazer...
Sem dúvida que ela vê... e com os olhos da alma e do coração! "

Mis Ojos
Yo quisiera que mis ojos
pudieran ver el mar,
poder ver las estrellas
y también a mi mamá.

Pero Dios no ha querido
darme a mi la claridad,
y yo veo con el alma,
el alma de los demás.

Y así me he enamorado
con tanta naturalidad,
amo el campo y las flores,
yo también amo al mar.

Yo quisiera que algún día
pudieran los demás mirar
con los ojos del alma
a aquél que sufre más

Si viviéramos todos
en total oscuridad,
así aprenderíamos
a amarnos de verdad.

Esperem, afinal ainda não acabei...Esta está linda...do http://macroscopio.blogspot.com/
Ruipmatos, está demais...delicioso...esta vaca está mesmo aqui à minha porta, nas Amoreiras...e toda a vez que olho para ela, penso isso...eheheheheheh
"Esperemos que não tenha partido a bacia, coitadinha da vaca. Quem diz bacia diz omoplata ou pescoço... Não deve ter ganho para o "susto".
(não consigo por a "image", vão lá espreitar ao macroscopio,xim?)
beijos per tutti

"Evocação a Camus"


Não resisto a republicar este texto do ilustre Ruipmatos...brilhante...

Evocação a Camus - até porque o futebol é o ópio do povo e o narcotráfico dos Media (Millor Fernandes)

Republico aqui este nosso texto de Jan. 2005 (com peq. adaptações)
Hoje somos todos "Estrangeiros". Viva Camus e o regresso à normalidade
(Millor Fernandes).

• Hoje, mamãe morreu. Ou talvez ontem, não sei bem. Recebi um telegrama do asilo: "Sua mãe faleceu. Enterro amanhã. Sentidos pêsames." Isso não esclarece nada. Talvez tenha sido ontem.

O EstrangeiroPrefácio para "O Estrangeiro"por Albert Camus

O Estrangeiro de Camus é um livro extraordinário. Reflecte, em parte, a dinâmica do nosso tempo político, económico e social. Espelha o absurdo a que chegámos. E porquê?

É simples: "na nossa sociedade, qualquer homem que não chore no funeral de sua mãe, corre o risco de ser sentenciado à morte". A fórmula pode generalizar-se a todos os campos do social ao político, passando pela esfera cultural e simbólica que, afinal, nos norteia a acção.

Para o autor, o seu herói, o Sr. Meursault, é condenado porque não joga o jogo. Sob este aspecto, ele é estrangeiro para a sociedade em que vive; ele vaga na borda, nos subúrbios de uma vida privada, solitária e sensual. Quantos milhares de portugueses se reconhecem nesta triste constatação!? Nesta lógica do absurdo, feita de ausências de sentido para a vida...

Talvez por isso muitos de nós se sintam verdadeiros pedaços de "entulho social" por, precisamente, não jogar o jogo. O jogo dos medíocres, dos pacientes.. que esperam, que bajulam, que obedecem, que elogiam a mediocridade, para que esta se sinta alimentada e consiga reproduzir o velho ciclo de multiplicação do absurdo em que Portugal, hoje, caiu..

E o que é que sucede a quem não quer jogar o jogo? A resposta é simples. Quem se recusa a mentir e a "hipocrisiar", perde e sai borda fora da sociedade. Será que é preciso ilustrar esta rotina com alguns exemplos, ou o leitor - amigo e paciente - já se lembrou de uma dúzia deles..., com outros tantos a aguardar vez na fila da memória!?

E quais a similitudes destas asserções com a nossa vida política? Também será necessário fazer um catálogo ou, de forma mais chique, mostrar o portfólio..

Como mero analista dos fenómenos sociais, sinto que a minha sociedade está ameaçada. O risco social já não é pontual. E aqueles que não estão dispostos a esconder os seus sentimentos tendem a ser trucidados, então é por isso que temos de aprender todos a mentir, a obeceder cegamente aos comandos dos que estão em cima e olham cá para beixo, vomitando algumas ordens que, essas sim, são verdadeiro entulho social..

O entulho dos instalados à lareira do Estado, vendo a pança inchar, tanto que já nem conseguem ver a ....para a satisfação das principais funções vitais dos rins. Com todas as provisões contadas, com a incerteza eliminada.

Será assim a vida da Universidade portuguesa? e na política lusa? Acautelem as excepções, pfv.. Mas também não alarguem a percentagem dessa ínfima percentagem que escapa ao tal entulho.

Em suma: tudo isto vem a propósito do Sr. Meursault - que é um homem que cometeu um assassino, é pobre e diz o que pensa. Como se tivesse obstinado e vivesse uma paixão pelo absoluto e pela verdade. Esta obsessão pelo mundial fez-me lembrar o Sr. Mersault e aquela frase do Millor Fernandes recordada pela Gi que diz: o futebol é o ópio do povo e o narcotráfico dos media.

E qual é a verdade política, económica e social em 2006? O que responderiam os cidadãos (empresários, trabalhadores, estudantes, reformados e o mais)??? Será que (ainda) sentem alguma coisa para dizer?

A minha verdade é comezinha: reler O Estrangeiro como a história de um homem que, sem heroísmos, aceita morrer pela verdade, qual Sócrates. Será que ainda há homens assim? Não creio... Hoje, quase todos se vendem. Ou vendem as filhas e os filhos. Por um pedaço de fama e/ou notoriedade as pessoas hipotecam o futuro, dão cabo de amizades nascentes. Hoje os homens são uns animais piores que estes - que, sem razão, ainda conseguem ser mais humanos.

Lembro-me, hoje, de alguns comparsas da política lusa que dinamizam o teatro de revista ao ar livre por esse Portugal fora. Ambos, além de se representarem a si e aos seus próprios interesses, pretendem transformar os portugueses naquele entulho social representado no Sr. Meursault. Adoro futebol, até o jogo bem. Mas não embarco no ópio nem no narcotráfico. As minhas drogas são outras, mais pessoanas, mas saudáveis. Logo, menos alienantes. Estes mundial de futebol gerou um caldo cultural tal que me faz ter pena dos meus concidadãos.

O Sr. Meursault, está chateado, e qualquer dia explode deixando fragmentos e estilhaços espetados por todo o lado. É que ele quer falar verdade, quer afirmar o que lhe vai na alma e no coração, e já está farto de lhe pedirem para continuar a mentir, só porque os actores principais o fazem.

Dos 20/30 ss. que vejo os jornalistas do burgo tentando transformar uma fraude noticiosa numa informação concluo: parecem aqueles novos galos a cantar, fazendo os mesmos vaticínios.Mas a esperança é sempre graciosa para os iniciados, que beneficiam de um estado de graça, cujas horas ainda não foram determinadas... Mas o relógio do tempo não pára. E a vida mingua. E muitos ainda passam a odiar o futebol só por causa deste massacre diário. O melhor mesmo é virar fransciscano e partir o televisor".

P.S. e já agora se puderem, leiam Camus..."O mito de Sísifo";"O primeiro Homem";"A Queda"; "O Estrangeiro"...são fabulosos todos...Falta-me ler "A Peste"...e outros mais dele...

terça-feira, junho 20, 2006


Hoje estou assim...não consigo parar de pensar nas duas semanas que tenho pela frente...se chegar ao fim...e se algo falhar?Chegar a tudo e a todos...sim...mas sinto-me assim...
Deixo-vos com estas belas palavras, para vos refrescar o dia...

"Tira-me o pão, se quiseres,
tira-me o ar, mas não
me tires o teu riso.

Não me tires a rosa,
a lança que desfolhas,
a água que de súbito
brota da tua alegria,
a repentina onda
de prata que em ti nasce.

A minha luta é dura e regresso
com os olhos cansados
às vezes por ver
que a terra não muda,
mas ao entrar teu riso
sobe ao céu a procurar-me
e abre-me todas
as portas da vida.

Meu amor, nos momentos
mais escuros solta
o teu riso e se de súbito
vires que o meu sangue mancha
as pedras da rua,
ri, porque o teu riso
será para as minhas mãos
como uma espada fresca.
(...)
Ri-te da noite,
do dia, da lua,
ri-te das ruas
tortas da ilha,
ri-te deste grosseiro
rapaz que te ama,
mas quando abro
os olhos e os fecho,
quando meus passos vão,
quando voltam meus passos,
nega-me o pão, o ar,
a luz, a primavera,
mas nunca o teu riso,
porque então morreria"
Pablo Neruda, Os Versos do Capitão

P.S. A minha querida Clau, sempre tão atenciosa com tudo e com todos,
sugere a divulgação deste site, para ajudarmos a Maria Poeiras.
http://www.projectosglobais.com/

segunda-feira, junho 19, 2006

Os nossos tugas em pleno bus:

-atão linda donde vens?
(atão…eheheheheheheh)
-fui meter o meu sobrinho na escola
(meter?eh láaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa)
-os outros é que têm os filhos e eu é que aturo
(aiaiaiaiaiaiaiaiaia, coitada da criança)
-ah pois é, pois é, pois é
(pois, pois, pois, pois)
- fostes à marcha onti?
(fostes, fostes)
- fui por Campolide…
- foi uma coisa mai linda não foi?
(eeheheheh, lindo)
- eu gostei mais da outra
- não digas isso, que levas uma murraça no focinho.

Ehehehehehehehehehahahahahahahahahahahahah

quarta-feira, junho 14, 2006

Pérola Preciosa...

"Se não levarmos a poesia e a beleza connosco, é inútil percorrermos o mundo. Em nenhum lugar as encontraremos".
(Emerson)

Hoje li um post no Blog da doce Anita:
http://www.portaljunior.com/journal.php?m=display&u=112
E não resisto a republicar...peço desculpa, mas este é mais um... dos belos quadros que tenho "visto" ultimamente e merece ser divulgado:

"Em cada dia descubro que é possível amar mais ainda, quando sinto que o amor já é completo. Também apreendi que a felicidade é cada instante de ternura e magia proporcionado pela flor mais linda do meu jardim.Há um ano atrás, quando me disseram que a minha menina era diferente, nunca pensei que descobrir a sua diferença me faria ser tão feliz e fazer caminhar com mais sabor pela vida. Aprendi que a felicidade não é um trofeu, mas antes um estado que se consegue com aquilo que temos á nossa volta, e á minha volta tenho tudo, para viver em harmonia, em paz e em felicidade, só basta saber aproveitar.A minha menina é tão especial e tão fantástica que cada dia é mais saboroso viver a vida. Juntas temos crescido tanto! Inicialmente fui-me encantando com as suas progressões, mas hoje sinto que quem tem progredido mais sou eu. Ela sempre foi um ser fantástico, de uma beleza interior muito grande, tem a capacidade de transmitir paz a quem a rodeia e possui já uma sabedoria misteriosa e imensa.Ultimamente tenho-me perguntado, se todas as terapias efectuadas com ela, em perseguição da dita normalidade, serão assim tão importantes?Não, não estou a desistir de continuar o meu trabalho com ela, mas agora com outra segurança, com calma e serenidade, vou seguindo um pouco o meu instinto e a intuição dela. Não quero, de alguma forma destruir a sua candura e o seu brilho, em prol de uma conduta que é a mais aceite pela sociedade. Quero acima de tudo que a minha menina seja feliz em cada dia. E ser feliz é acima de tudo gostar de nós, gostar do nosso eu, gostar do nosso corpo, o que implica conhecermo-nos. E então nos últimos tempos tenho transmitido esse principio á minha Princesa: (...)Esta aprendizagem, deixa-me orgulhosa da minha pequena guerreira, e dá-me uma sensação de plenitude".

Para ti, doce Anita...na esperança de que um dia, possa republicar uma de muitas longas conversas, que irás ter com a tua pérola preciosa...vais ver que esse dia vai chegar, quando menos esperares.
Beijos

Dali não se vê apenas o mundo, mas também a esquina da nossa alma

Li agora mesmo no http://macroscopio.blogspot.com/ e não resisti a republicar...Obrigada Rui Paula de Matos por este belo quadro...

"Quem não conhece o Chapitô...Um projecto cultural, social e educativo que cruza a formação, a animação e a intervenção social através das Artes e do Espectáculo. Uma iniciativa louvável que não só pretende fazer arte pela arte como, ainda, se dedica ao apoio de jovens com dificuldades e sem lar. Um espaço a visitar e, se possível, a valorizar. Goza de óptimas instalações - exteriores e interiores - um ambiente agradável e umas vistas soberbas. Dali não se vê apenas o mundo mas também a esquina da nossa alma. Conheci a Té-té na casa de Agostinho da Silva em fins dos anos 80. Depois, o caldo cultural dos tempos de faculdade empurravam alguns de nós para lá aos fins-de-semana, onde (convi)víamos. Às vezes só víamos. Belas noites de Verão por entre muitas palhaçadas, risos, sorrisos, acrobacias e línguas de fogo e faquires na ponta das facas. Nada daquilo era comigo, mas às vezes pressentia que era eu quem fazia tudo aquilo. Que estranho!!! Recordo ainda a preocupação que a Teresa Ricou tinha com o enriquecimento da sua biblioteca - que tem, aliás, bons livros de Sociologia da Educação. Provavelmente, ela já nem se lembra de mim. Mas isso pouco ou nada importa. Não deixa de ser uma mulher fantástica, com um percurso de vida pelas "Áfricas" - onde acompanhou seu pai (médico) em campanhas verdadeiramente alucinantes. Hoje lembrei-me do Chapitô, alguém por lá irá representar uma peça. E tantas vezes é a vida que nos representa, os pensamentos que nos pensam, as ideias que nos consomem, as palavras que nos falam. O teatro, afinal, é ao mesmo tempo uma arte e uma técnica e visa materializar uma fórmula simples: rae presentare, ou seja, tornar presente o que está ausente. E é isso que todos fazemos neste minúsculo palco da vida - tão perene quanto provisório - alimentado só por duas (ou melhor) três certezas comezinhas: nascemos, vivemos e morremos. Enquanto o diabo esfrega um olho. Agora experimentem lá pôr isso em linguagem de teatro: pôr o diabo a esfregar o olho!!! Para quem nunca viu o diabo não se sabe se tem olhos... Dedicamos este simples post ao Chapitô, à mulher palhaço (Teresa Ricou) e aos artistas que fazem daquele espaço um lugar de misterioso no canto enigmático das nossas almas. Que tantas vezes - em surdina - nos representam, mesmo contra a nossa vontade."

sexta-feira, junho 09, 2006

Chapitô, perto do Castelo de S.Jorge...tcham..tcham...tcham...

A minha última peça, do Grupo no qual participo …não dá para chegar a tudo e a todos, infelizmente…“É uma grande pena que não se possa estar ao mesmo tempo nos dois lugares!” Cecília Mereiles
Espero ver-vos lá, para fechar em grande…

Qual é a minha cena?Apareçam e vejam...
Beijossssssssssssssssssssssss

Autoria e encenação: BRUNO SCHIAPPA
Dias 14, 15 E 16 DE JUNHO ÀS 22 HORAS

ENTRADA LIVRE – CHAPITÔ
EXERCÍCIO FINAL DO GRUPO DE EXPRESSÃO DRAMÁTICA
PRODUÇÃO EXECUTIVA/CONSULTORA DE GUARDA ROUPA - MARIA JOÃO SANTANA

SINOPSE
ESTADO DE CITY REVISITADO é uma peça que nos apresenta uma visão da vida nas grandes cidades que são invadidas pela tecnologia e contaminação cultural sem que os seus cidadãos estejam exactamente preparados para tal. O consumo de tudo e a vontade frenética de assumir a oferta como um direito transformam-nos em seres caricatos e despojados de sentido prático e lúcido. As várias consutas imbricam-se e entrelaçam-se e o resultado é uma espécie de psicopatologia da vida quotidiana aplicada. O espectáculo tem o formato de conjunto de sketches que raiam o hilariante e até misturam algumas técnicas performativas mas tem como fio condutor o confronto de 3 personagens que se revelam de algum modo mais lúcidas do que as restantes apesar de parecerem que são elas as "desviadas". O final é um elogio à festa e ao mercado tradicional onde se conhecem as pessoas de forma verdadeira e onde os sentidos são alimentados por cheiro, textura, paladar, tacto e visão.
Espero que gostem.

By, Bruno Schiappa


Gostei da carta escolhida...

Resolvi republicar este post do blog
como forma de agradecimento, pela gentileza:

"Esta é uma postagem especial!!Mixicó... esta é para ti. A que me pediste.
Estive a ver o teu blog, li alguns dos teus posts
e achei que esta seria um carta boa para te "representar".
Às de Paus...Energia; Criatividade; Confiança
Foi o que achei de ti, por posts que li.
Usa essa força para venceres na vida.
Já vi que és uma mulher de garra".

Obrigada...por te lembrares...
Beijos

quinta-feira, junho 08, 2006

RuiPMatos...

Leitura mágica...Aqui vai algo que é mágico...não é nenhuma novidade...mas é sempre fascinante: - O Quarteto de Alexandria:
- "Justine"
- "Baltasar"
- "Mountolive"
-" Clea"

"Lawrence Durrell, que nasceu em 1912 na Índia ( Himalaias), facto que (...) marcou todo o seu percurso de homem e de escritor, tem o génio da comunicabilidade e a sua imaginação é sempre brilhante, quer quando cria esse romance-chave do nosso tempo que é «O Quarteto de Alexandria», quer quando tenta a narrativa de «suspense» com esse fantástico romance-fábula que se chama «O Labirinto Negro», quer quando troca cartas com outro grande do nosso tempo, o escritor Henry Miller, em muitos aspectos seu homólogo".
In, "O gato das letras"

Vale a pena ler, aproveitem a feira do livro e comprem os 4 livros...e façam uma viagem mágica de amizade, de amor, de uma amizade antiga, de um amor que desampara e faz doer...por tudo isto e muito mais...
Best regards

Meu filho, meu tesouro...

Desculpem, mas tenho de partilhar isto convosco…
O meu pilocas parece tão adulto…isto quando não é "bebezolas"…ehehehehe
No fds foi para casa de um amigo que tinha piscina, mas eu mesmo sendo amiga dos pais, fiquei com medo…Ouço tantas histórias de mortes de crianças nas piscinas, que não fiquei descansada e disse aos pais do amiguinho que na hora da piscina aparecia lá em casa…e deixei-o ir…
Eram ums 16H e lá estava eu...qual mãe chata e galinha para olhar por ele…
Senti-me um pouco mal, porque era como se não confiasse nos pais, que por sinal são meus amigos...mas também sabia que estava à vontade com eles…O pai do amigo do meu pirilampo disse-me que não me preocupasse, porque o meu pirilampo era muito cuidadoso…Pois mal viu a piscina ditou as regras todas… que se virou para ele e disse: - que não podia molhar os ouvidos, que não podia ir para a parte funda, porque não sabia nadar, que não podia correr à volta da piscina porque podia cair…e que tratou logo de pôr a toca na cabeça…
Fiquei maravilhada, em saber que o meu pilocas se tinha lembrado de todas as minhas recomendações...tão querido…Assim sendo, vi que podia ir embora descansada, porque ele estava bem entregue e sempre com um adulto dentro de água...sim...porque com os pequenotes em piscinas, todo o cuidado é pouco...não acham?
Sou chata admito, mas coração de mãe sempre é…assim…
Beijos

P.S. O meu avô (contava-me a minha mãe), que quando bebia um pouco além da conta em festas, cantava sempre esta música:
- Se você pensa que cachaça é água, cachaça não é água não...
cachaça vem do alambique, e água vem do ribeirão.
Pode me faltar tudo na vida.Arroz, feijão e pão
Pode me faltar manteigaE tudo mais não faz falta não
Pode me faltar o amor.ahahahahahDisto até acho graça.
Só não quero que me falte.A danada da cachaça.

E eu diria: - Pode me faltar tudo na vida...Só não quero é que me falte...o meu "grande"piloquinhas...

quarta-feira, junho 07, 2006

Feira do Livro...

Não se esqueçam de lá dar um salto...porque "Ler é poder"...até dia 13 de Junho em Lisboa...e até dia 11 Junho no Porto.
Ainda ontem falou-se nisso na minha aula de Comportamento Organizacional...um dos alunos foi no sábado passado e disse que estava vazio...o tuga prefere o futebol e o Rock In Rio-Lisboa.
Enfin...como dizem os franceses.
Beijos

terça-feira, junho 06, 2006

Breves...

-Ontem a entrar para a aula de Gestão de Projectos (realmente, este nome não lembra a niguém e como diz uma amiga minha: - não tinhas nada mais interessante de pós-graduações para fazer?) Adiante...não sei que cara fiz ao entrar porque até já ia atrasada, que no final da aula uma colega vem ter comigo e diz: "adoro o teu ar de desprezo com que entras na sala,olhas para o prof. como quem diz:-estou a pagar para estar a levar com este gajo". Eh pá...a sério?Perguntei...mas que ar de desprezo...como assim, quando, quem, porquê?Não dou por isso e não é essa a minha intenção...mas enfim...só espero que os profs. não pensem o mesmo...prque na realidade a "cara de desprezo" que faço aos profs. não é nada mais nada menos, do que o meu enorme cansaço e muita vontade de dormir...não é nada contra os profs...

-Ontem quando sai do trabalho, passei por onde passo sempre,por onde tenho o carro estacionado, numa rua com um restaurante que conheço.Era um Restaurante que eu ia antigamente, quando comecei a trabalhar aqui...uma amiga "introduziu-me no grupo dela, para eu não me sentir sozinha (foi muito querida por isso),e era com esse grupo tão animado que ía almoçar, até que fiz o meu próprio grupo com quem mais me identificava...não esquecendo nunca o "outro grupo" maravilhoso que me acolheu om tanto carinho. Como eu dizia, passei nesse Restaurante e estava o senhor à porta que nos servia e continua a servir. E eu digo: -"Olá Sr. Fernando". Ao que ele responde: - "Olá menina, ainda se lembra do meu nome. Tem de aparecer".
Eu achei tão...como hei-de dizer...tão ternurento o facto de ele ter dito que eu ainda me lembrava do nome dele...e disse aquilo com um certo orgulho...
Mas como poderia eu esquecer o nome de uma pessoa que nos servia todos os dias no restaurante e que nos tratava com tanto carinho?Tenho de lá voltar...ir de vez em quando...
Beijosssssssssssssssssssssssss

segunda-feira, junho 05, 2006

Porque há dias assim...Casablanca

-Play it, Sam.

you must remember this,
A kiss is still a kiss,
A sigh is just a sigh;
The fundamental things[apply
As time goes by.
And when two lovers woo,
They still say, "I love you ",
0n that you can rely;
No manter what lhe future
[brings
As time goes by.
Moonlight and love songs,
[never out of date,
Hearts full of passion,
jealousy and hate;
Woman needs man,
and man must have his mate,
That no one can deny.
lt's still lhe same old story
A fight for lave and glory,
A case of do or die
The world will always
[welcome lovers
As time goes by.

AS TIME GOES BY

sexta-feira, junho 02, 2006

Mais valia estar quieta...


Estava eu a caminho do work, e como fui de Bus, resolvi testar um novo caminho, para ver quanto tempo demoraria a chegar...falaram-me numa opção excelente e que eu devia de experimentar e blá...blá...blá...
Bad...bad...bad...Maldita a hora...demorei a chegar ao destino, mais 30 minutos do que o costume. Já desesperada com o atraso viro-me para um rapaz ao meu lado e pergunto:
- Desculpe, chegamos antes do natal ao Amoreiras Shoppping?
- Diga?
- Chegamos antes do Natal ao Amoreiras Shopping?
- Diga?
(eh pá que parte do chegamos, é que este gajo não percebeu???)
- Se falta muito para chegar, pergunto novamente.
- Sim, ainda falta um bocado.
(socorrooo, mais ainda???)
E além do mais, fiquei frustrada porque o rapaz não percebeu a minha piada...se calhar até nem tem piada e ele é que está certo...isto de andarmos a fazer piada de tudo a torto e a direito, tem de acabar...se só nós é que percebemos......
Beijos