Mixikó

"Apesar de tantas provações, a minha idade avançada e a grandeza da minha alma fazem-me achar que tudo está bem." Sófocles, Édipo

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa

"Esse Universo enfim, sem dono, não lhe parece estéril nem fútil. Cada grão dessa pedra, cada estilhaço mineral dessa montanha cheia de noite, forma por si só um mundo. A própria luta para atingir os píncaros basta para encher um coração de homem. É preciso imaginar Sísifo feliz". Camus,O Mito de Sísifo

quinta-feira, novembro 30, 2006

Guerra das Estrelas» no Museu da Electricidade

"Uma exposição sobre a saga cinematográfica da «Guerra das Estrelas» vai ser inaugurada, no próximo dia 1 de Novembro, no Museu da Electricidade, em Belém, e irá apresentar 231 peças originais usadas nos seis filmes do realizador George Lucas.

A exposição pode ser vista até Janeiro do próximo ano e convida o visitante a efectuar uma viagem pelos bastidores do universo de Star Wars, dividida em quatro etapas: objectos originais, efeitos visuais, a abordagem da ciência, os próprios filmes e documentários sobre a saga.

A exposição ocupa uma área superior a 2000 metros quadrados e o espaço do Museu da Electricidade vai ser transformado para recriar o ambiente dos filmes. Poderá ser visitada de domingo a quinta-feira, entre as 10 e as 20 horas; as sextas e sábados encerra mais tarde, às 22 horas".

quarta-feira, novembro 29, 2006

Como é que pode?Ser-se assim, tão inconsciente?

É impressionante, como é que com a idade vou ficando cada vez mais...naif???
A caminho do Vimeiro, sexta-feira à noite...a chuva ia e vinha...
Mixikó mete-se num no carro, com uma pessoa que é um perigo a conduzir. Como é possível??Não era novidade para mim...mas como ele é bom rapazinho, pensei que tivesse tomado juízo...é que não estão a ver o filme...a chover torrencialmente...estradas cortadas...e o belo do rapaz conduzia como um louco...e mesmo quando parava de chover, a estrada parecia manteiga...qual era a parte que ele não percebia?
- mas era ali que tinhamos de virar (dizia eu e outra rapariga)
- e só agora me dizes?
Eu agora pergunto: - como é que vemos as placas, se estamos a 200 à hora e na faixa da esquerda??O que me está a escapar aqui??
Confesso que vi a minha vida por um fio...nunca mais...era só o que me faltava, deslocar-me para uma reunião e acontecer alguma desgraça...

terça-feira, novembro 28, 2006

Tom Jobim

Dedico esta música mai linda, a todas as gaijas giraças...por dentro e por fora... e lembrem-se...que somos um poema, e que quando passamos o mundo pára... e se enche de graça...
Acho que preciso de terapia...este excesso de auto-estima é problemático...ahahahahaha

Olha que coisa mais linda,
mais cheia de graça
É ela meninaque vem que passa
Num doce balançocaminho do mar
Moça do corpo douradodo sol de Ipanema
O seu balançadoé mais que um poema
É a coisa mais lindaque eu já vi passar
Ah, porque estou tão sozinho
Ah, porque tudo é tão triste
Ah, a beleza que existe
A beleza que nãoé só minha
que também passa sozinha
Ah, se ela soubesse
que quando ela passa
O mundo sorrindos
e enche de graça
E fica mais lindo
por causa do amor

quinta-feira, novembro 23, 2006

Escrevo para ti…somente…quem estiver a ler estas palavras, não irá entender nada Alguns saberão que falo de ti…mas, isso não importa…O mais importante é dizer-te que...

Ainda penso em ti...o que eras...o que nunca chegaste a ser...
Quando voltas?
Lembro-me da última corrida para o comboio...corremos tanto...
Lembro-me de te ter pedido desculpa...
Estamos à tua espera...mas, peço-te que desta vez...venhas para ficar...
Hei-de sempre amar de igual forma, aos dois...
Continuo à espera, para poder partilhar este amor que é tão grande...
Mas como ainda não chegaste...ouve esta música...
é pirosa…bem sei...mas, que para ti canto como versos de embalar:

Estou guardando o que há de bom em mim…
Para lhe dar quando você chegar
Toda a ternura e todo o meu amor
Estou guardando para lhe dar

E toda vez que você me beijar
A minha vida quero lhe entregar
E em cada beijo
Certo ficarei
Que você não vai me deixar

Grande demais foi sempre o nosso amor
Mas o destino quis nos separar
E agora que está perto o dia de você chegar
O que há de bom vou lhe entregar

Só vejo a hora de você chegar
Pra todo o meu amor poder mostrar
Mas quando eu
De perto te olhar
Não sei se vou poder falar

Cristo no Café...

Estavam um inglês, um alemão e um português num café quando o Inglês diz aos outros:
-Esse que aí entrou é igualzinho ao Jesus Cristo*
Pois, pois - dizem os outros.*
Estou-vos a dizer. A barba, a túnica....*
*O inglês levanta-se, dirige-se ao homem e pergunta:*
Tu és Jesus Cristo, não é verdade? *
*- Eu? Que ideia! *
Eu acho que sim. Tu és Jesus Cristo. *
*- Já disse que não. Mas fala mais baixo. *
*- Eu sei que tu és Jesus Cristo*
*Tanto insiste que o homem lhe diz baixinho:
*- Sou efectivamente Jesus Cristo mas fala baixo e não digas a
>>ninguém senão isto fica aqui um pandemónio.*
*- Fiz uma lesão no joelho em pequeno. Cura-me.*
-Milagres não. Tu vais contar aos teus amigos e eu passo a
>>tarde a fazer Milagres.

O inglês tanto insiste que Jesus Cristo põe-lhe a mão sobre o Joelho e cura-o.*
*- Obrigado. Ficarei eternamente grato - agradece, emocionado, o inglês.*
-Sim, sim. Não grites e vai-te embora. Não contes a ninguém.*
*O inglês, mal chegou à mesa, contou aos amigos. O alemão levantou-se logo e*Dirigiu-se a ele.*
-O meu amigo disse-me que eras Jesus Cristo e que o curaste.*
*Tenho um olho de vidro. Cura-me.*
*- Não sou nada Jesus Cristo. Fala baixo.*
*O alemão tanto insistiu que Jesus Cristo passou-lhe a mão pelos olhos e*
*Curou-o.*
*- Vai-te agora embora e não contes a ninguém.*
Mas Jesus Cristo bem o viu a contar a história aos amigos e ficou à*
Espera de ver o português ir ter com ele. O tempo foi passando e
>>nada.*
Mordido pela curiosidade dirigiu-se à mesa dos três amigos e pondo a mão Sobre o ombro do português, começou a perguntar:*
-E tu, não queres que.....*
O português levanta-se de um salto, afastando-se dele:*
-Eh, tira as mãozinhas que eu estou de baixa!!!

quarta-feira, novembro 22, 2006

UM PAÍS DE CAGÕES...

"De acordo com o Expresso, o "patrão" da IKEA, o sr. Ingvar Kamprad,"apenas" um dos homens mais ricos do mundo, de 80 anos, veio fazer uma visita surpresa ao seu armazém de Alfragide. Hospedou-se na Pensão Alegria, na Praça com mesmo nome, foi de táxi até à loja e regressou na carreira 14 da Carris,que o largou na Praça da Figueira. Esta peripécia devia fazer pensar os parvenus domésticos.
Qualquer mísero cargo dá direito, na nossa provincianasociedade, a um carro, a um motorista, a um telemóvel, a cartões e a umassecretárias. Ninguém dá um passo sem andar de carro, mesmo que se alimente a cafés ou a "sandes de fiambre", viva numa barraca ou num condomínio de luxo. Para além de analfabetos, os portugueses são cagões. Preferem o perfume ao duche, o automóvel brilhante a uma casa decente, umas férias no Caribe a uma boa escola para os filhos, montar falsas empresas a pagar impostos. Por isso, jamais iremos a lado algum. Nem sequer de autocarro."

terça-feira, novembro 21, 2006

Pedra Filosofal...

Centenário do nascimento de António Gedeão, pseudónimo de Rómulo de Carvalho:
"António Gedeão é uma pessoa rara. Nasceu poeta, tornou-se professor de Física e deslumbra-nos porque combina palavras com a serenidade, a certeza, a perícia de quem mistura sais.
Quando decidiu publicar o primeiro livro, em 1956, fê-lo em segredo. Não contou a ninguém, escondeu-se atrás de um pseudónimo e até a sua mulher recebeu um exemplar autografado pelo correio!"
In, Plano Nacional de Leitura

Eles não sabem que o sonho
é uma constante da vida
tão concreta e definida
como outra coisa qualquer,
como esta pedra cinzenta
em que me sento e descanso,
como este ribeiro manso
em serenos sobressaltos,
como estes pinheiros altos
que em verde e oiro se agitam,
como estas aves que gritam
em bebedeiras de azul.

Eles não sabem que o sonho
é vinho, é espuma, é fermento,
bichinho álacre e sedento,
de focinho pontiagudo,
que fossa através de tudo
num perpétuo movimento.

Eles não sabem que o sonho
é tela, é cor, é pincel,
base, fuste, capitel,
arco em ogiva, vitral,
pináculo de catedral,
contraponto, sinfonia,
máscara grega, magia,
que é retorta de alquimista,
mapa do mundo distante,
rosa-dos-ventos, Infante,
caravela quinhentista,
que é Cabo da Boa Esperança,
ouro, canela, marfim,
florete de espadachim,
bastidor, passo de dança,
Colombina e Arlequim,
passarola voadora,
pára-raios, locomotiva,
barco de proa festiva,
alto-forno, geradora,
cisão do átomo, radar,
ultra-som, televisão,
desembarque em foguetão
na superfície lunar.

Eles não sabem, nem sonham,
que o sonho comanda a vida.
Que sempre que um homem sonha
o mundo pula e avança
como bola colorida
entre as mãos de uma criança.

Zeca Afonso, poema de António Gedeão

domingo, novembro 19, 2006

"as ideias são mais importantes que as armas. As ideias produzem sonhos que transformam a realidade"

Tenho estado nos intervalos do estudo, entre 2 livros...e um deles, é do nosso estimado Rui Paula de Matos - "Em busca da Globalização Feliz"- análise e reflexão política - um livro que veio em boa hora, para me fazer gostar de ler um tema que considero aborrecido...pois ajuda-nos a reflectir com cabeça tronco e membros...pela sua linguagem acessível e que nos prende pela riqueza da informação. Deixo aqui um excerto de um bom momento de literatura:

"Há dias reencontrei uma pessoa rica em valores simples.Um autodidacta que passou para o outro lado da vida: a marginalidade. Errante,transformou-se num filósofo de arcada. Comia,dormia e pensava nas traseiras do prédio onde habitava. Íntimo do álccol, dos plásticos onde guardava restos de comida oferecida e doos trapos velhos, emitia o seu saber sobre tudo. Adormecia com os gatos e acordava com os pombos que alimentava. Confundia-se com os animais. Durante anos teve residência fixa na mesma arcada donde o avistava da janela de minha casa. E era dela que agendava briefings com o filósofo. Resultado: ficámos amigos.

Um dia perguntei-lhe o que desejaria ter sido em termos profissionais. Retorquiu o seguinte:"Só queria o dinheiro para comprar s morte e, assim, viver eternamente;"depois compraria um aquário gigante, mas enchia-o de vinho e punha-me lá dentro a nadar como um peixe". Quando regressei à realidade, constatei que as pessoas ditas normais, diziam coisas diferentes:"Estou a passar por um mau momento"; "este é um período diferente".

Mas depressa me apercebi de que esses períodos difíceis ocorriam com uma frequência cada vez maior; tornaram-se uma característica permanente da vida dessas pessoas.
(...)
Resolvi então marcar novo briefing e lá fui para a arcada debater as questões do nosso tempo com o meu amigo filósofo de rua. Ante a contradição, deu-me algumas explicações que exprimiu sob a forma interrogativa. Qual é a sensação de pobreza? Que sofrimento psicológico a acompanha?. Acrescentou que a pobreza sempre andou associada com o medo e a ansiedade acerca do futuro, o medo do abandono (como lhe sucedera com a família), o medo da solidão.O álcool ajudava a criar essa fronteira de segurança ilusória e manter a temperatura do corpo.

Era assim que este amigo via os seus semelhantes:"os pobres eram gente encurralada, tensa, ardilosa, rude, sem esperança, consumida por fantasias,drogas e venenos que lhes destruíam os corpos sem evasão possível". Dizia-me: " vejo-me a morrer como um animal. As nossas vidas são a própria imagem do inferno. Férias,lazer,reforma,família,divertimento - tudo isso desapareceu. O tempo já não nos pertence (...).
Dizia que tudo isso sucede por causa da globalização (in) feliz (...)
Globalização, para este filósofo de arcada, é planificação sem controlo...".

Espero que tenham gostado...Boa noite.

sexta-feira, novembro 17, 2006

Objectiva II

Fotografias gentilmente cedidas por um amigo...de um Brasil maravilhoso



Objectiva...













quinta-feira, novembro 16, 2006

Passagem pela Serra de Montejunto...


Se eu consigo...vale a pena experimentar... não se deixem levar pelo cansaço inicial só de olhar lá para cima e dizer:não consigo, vou por onde?E tentar escalar com ou sem dicas e chegar ao topo...e ver o azul do céu...em contraste com o verde das árvores bem lá em baixo...noutras vistas, vemos o mar...e contemplar toda essa imensidão... é ficar sem respirar com medo de estragar o momento...chegamos a sentir o cheiro da água do mar; o cheiro da terra...e o mágico som do silêncio...
Este é dedicado ao grande mestre da escalada..que um dia, me levou a descobrir este mundo maravilhoso...

quarta-feira, novembro 15, 2006

Jumento: passagem obrigatória

Retirado do Jumento:

Em defesa da manutenção do director-geral dos Impostos:
«Aparentemente, o valor do ordenado era muito elevado, mas comparativamente aos resultados, justifica-se”, disse ontem ao CM o presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos (STI), Manuel Silva. E não é o único: Saldanha Sanches, Vasco Valdez, ex-secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, e Bagão Félix, ex-ministro das Finanças, são unânines em reconhecer o trabalho do actual director-geral dos Impostos e defendem mesmo que “era bom que o Estado fizesse um esforço suplementar” para pagar um salário elevado a gestores de topo como Paulo de Macedo.» [Correio da Manhã
Link]

Despacho do Director-Geral do Palheiro: «Será para rir ou para chorar?»

A ternura dos…5 anos

Até o meu filhote… já canta a música da Floribela…biekkkkkkkkkkk

”Não tenho nada mas tenho tenho tudo
Sou rico em sonhos e pobre, pobre em ouro
Mas não me importa pois só por ter dinheiro
Não compro amigos, estrelas o amor verdadeiro”…

E eu a fazer caretas para ele, quando ele me diz…alto e bom som:
“Não tenho nadaaaa, masssss tenho a mamã…”

Uma ternura …

terça-feira, novembro 14, 2006

Breves...

DIÁLOGO DE VANGUARDAS AMADEO DE SOUZA-CARDOSO (1887-1918), Exposição na Gulbenkian - Centro de Arte Moderna (de 14 Nov a 14 Jan-3ª a domingo das 10H00-18H00 e 6ª até às 24H00 com bilhetes a 3€). O Pintor português que morreu novo e que muitos desconhecem.

O "Super-homem-francês" escalou a Torre Vasco da Gama...Alain Robert já escalou mais de 70 arranha-céus em todo o mundo, desta vez veio a Portugal pela 1ª vez para escalar a Torre VG.O mais impressionante é que a escalada não teve qualquer ajuda, subiu com as próprias mãos...apenas...Se vale a apena? Perguntem a Robert que respondeu já: "a vista é muito bonita". Vale sempre a pena...eu é que não era louca...nos meus tempos de escalada subir só com as mãos jamais...e mesmo assim quando caía e ficava pendurada na corda era sempre um sufoco...mas valia a pena passar por tudo isso...chegar lá acima e poder abraçar o horizonte, até onde a vista alcançava...ahhhhhhhhhhhhhh

segunda-feira, novembro 13, 2006

A ternura dos...

Hoje ofereceram-me um livro.Depois de um fds repousante... entre gargalhadas e uma perfeita comunhão com a natureza, mimos para o corpo e alma...chego aqui ao trabalho, e eis que me oferecem um livro: "Sábado" de Ian McEwan.Afinal os mimos continuam...um sorriso...um gesto... que me aquece a alma...assim vale a pena começar a semana...Beijos per tutti

sexta-feira, novembro 10, 2006

Nova cadeira...mas não é para sentar...

Seguros de vida e não vida...Com 2 professores: um é o Prof.Dr. Carlos Manuel Pereira da Silva, um "expert" em matéria de Segurança Social...as aulas são um must. O outro um puto novo...explica bem...mas eu já não podia mais ouvir falar de seguros às 22H30...é dose...olho para o lado, uma colega enche a boca de smarties, e eu...bem, Mixikó precisava urgentemente de se manter acordada...saca do verniz e muito discretamente pinta as unhas e...cheira mesmo...só assim acordou ...eu sei, uma vergonha, mas teve mesmo de ser...eis que voltámos à carga e esse prof. espeta com fórmulas no quadro(pesadelo).Eu abri os olhos em Pânico...ao que o prof olha para mim e diz: -"isto é mais simples do que parece" e passa a explicar tudo de novo, sem tirar os olhos de mim, "vai dai" pergunto:
- Prof. só um à parte,vamos ter de fazer cálculos aqui tmb?
- Com que intensidade o deseja?(ehhh láaaaaaaaaaaaaa)
- nenhuma (daaaaaaaaaaaaaaa,eheheheh)
- Não se preocupe, estamos aqui só para analisar não para calcular (ufffffffffffffff).

O tal Prof. de Controlo de Gestão...está sempre a chamar pelos nossos nomes...é giro...cria outra dinâmica...volta e meia diz o meu nome com um "até aqui alguma dúvida?( Nãaaaaaaaaaaa)"E a pedido da....(meu), não vamos calcular os rácios, só interpretar resultados"...ah coisa mai linda.Em compensação, tive outra nova cadeira...Marketing...que adoroooooooooo...os meus olhinhos até brilhavam(aquela hora da note, olhem que é uma proeza) eheheheheheh

quinta-feira, novembro 09, 2006

To Dixubo...eu disse tentarrrr

Este é dedicado à dixubo…por tentar passar a mensagem de uma alimentação saudável…lol
Lá ia eu cheia de pressa…como estava sem tempo para comer, resolvi comer em pé (coisa que detesto). Olho para as pessoas em volta, prato completo e tal…
Pedido: coca-cola e um rissol de camalão…eheheh (alimentação saudável portanto)
Estava eu a lambuzar-me toda, quando olho para o lado e vejo (visão do inferno),uma senhora a comer uma sopa e como sobremesa, frutinha… Até me senti mal, quando pedi outro rissol, com os dedos cheios de gorduronga já… E a sentir o olhar recriminador da dita senhora…(acho que foi por isso que me caiu mal)
grrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrrr

segunda-feira, novembro 06, 2006

Olá tu por aqui...

No outro dia chamaram-me na rua...quando me virei, vi uma moça gira toda sorridente a olhar para mim... upsssssssss...

- Lembras-te de mim?(nãaaaaaaaa..aiaiaiai)
- Estás boa?(Digo...raios, sei que conheço, mas de onde?)
- O que tens feito? (de repente lembro-me daquele olhar doce...mas o nome... Dora?Melhor não arriscar)
- Fui para o Chapitô depois das aulas da Priska e tu?
- Fui para outra professora, porque a Priska foi-se embora.Mas, como a Priska não há...bláblá...
Desta, safei-me...eu e os nomes temos uma relação muito estranha...

Era uma miúda que andava comigo nas danças orientais...no meio de tanto gajedo, era a única rapariga como deve de ser...pelo menos para mim...muito meiga, muito madura...conseguem imaginar uma turma de raparigas na dança do ventre?A competitividade era uma constante... no olhar, nos gestos, na atenção da professora...enfim...mas eu não estava sozinha, esta rapariga também pensava assim...tive pena de não ter sabido conservar essa relação...foram aulas giras pelo prazer da dança, mas também para provar mais uma vez que onde está muita gaija junta, o resultado? Muitas farpas pelo ar...bad...bad...bad

...

Hoje vinha a ouvir Astor Piazzola...senti-me em pleno palco, com uma rosa na boca a dançar o tango ao som de Piazzola...só que as rosas têm espinhos... topam?Naão?Bahhhhhhhhhh

-A Fnac anda à procura de novos talentos, usem e abusem da v/ criatividade e escrevam um livro por ex. (quem tiver tempo,+ inf. em www.fnac.pt):
Novo Talento Fnac
Direcção de Comunicação
Amoreiras Plaza
R. Prof. Carlos Alberto Mota Pinto, Nº9 - 6ºB
1070-374 Lisboa

-Um ciclo de cinema"Como o cinema era belo ", na Fundação Calouste Gulbenkian no quadro do seu 50/0 aniversário, com 50 filmes escolhidos por João Bénard da Costa.

-Café-Teatro Santiago Alquimista: - Rua de Santiago 19, 1100-493 Lisboa
"AS noites de Open Stage continuam no Santiago Alquimista. dia 8 de Novembro (abertura21h 30m / início-22h) , em apresentação única, o espectáculo de teatro puro TRÊS VIDAS PARA UM HOMEM SÓ. Três personagens falam sobre o vazio que é o acto de viver. O que se faz automáticamente. O que se faz por vontade. O que se faz... Enfim... Será que o vazio existe? Venha conhecer o ser humano de perto"- sugere-nos a programação de Bruno Schiappa.
Autor: António J. Oliveira
Encenação: António J. Oliveira
Interpretação: João Miguel Mota, Linda Valadas, Nuno Viriato

quinta-feira, novembro 02, 2006

Mathias Goerne...no Grande Auditório da Calouste Gulbenkian, 02 e 03 Nov.

Vinha a ouvir a Antena 2... a voz de Mathias Goerne…Fico sem palavras…e palavras para quê?
Foi como se estivesse em pleno palco…como se fizesse parte de um todo...a música, as vozes, o contexto, o drama…numa canção de Wagner…ahhhhhhhhh

A propósito de Wagner, aqui fica uma curiosidade:
É no poema medieval que Richard Wagner se inspira para criar a magnífica ópera “Tristão e Isolda”, que foi apresentada pela primeira vez em 1865 em Munique.

Em dezembro de 1854, Richard Wagner enviou uma carta para seu amigo Franz Liszt, aonde declarou: Já que em minha vida nunca desfrutei o êxtase do verdadeiro amor, quero levantar um monumento ao mais belo de todos os sonhos, e que esteja impregnado desse amor do princípio ao fim. Já tenho esboçado em minha mente o roteiro de uma ópera que será baseada na lenda de Tristão e Isolda(a propósito da sua polémica história de amor, com Matilde Wesendock)

"Los lazos que unieron a Wagner con Matilde Wesendonk, a quien él denominó su Musa, eran tan elevados, puros, nobles, y de naturaleza ideal, que ¡alás! solamente podrán ser avaluados por aquellos que en su pecho noble alberguen su misma elevación y altruismo de pensamiento"
(Ernst Newman, 1899).