Mixikó

"Apesar de tantas provações, a minha idade avançada e a grandeza da minha alma fazem-me achar que tudo está bem." Sófocles, Édipo

A minha fotografia
Nome:
Localização: Lisboa

"Esse Universo enfim, sem dono, não lhe parece estéril nem fútil. Cada grão dessa pedra, cada estilhaço mineral dessa montanha cheia de noite, forma por si só um mundo. A própria luta para atingir os píncaros basta para encher um coração de homem. É preciso imaginar Sísifo feliz". Camus,O Mito de Sísifo

terça-feira, janeiro 31, 2006

Alcançar o topo da montanha...


Não existe proeza maior, do que fazer o bem a alguém, sem contar que o fizemos...
É como alcançar o topo de uma montanha...é difícil, é cansativo, mas o resultado...é uma enorme satisfação de ter conseguido vencer barreiras, um desafio imposto a nós próprios, e lá de cima poder abraçar o mundo e ter a satisfação de olhar até onde a vista alcança e dizer :- valeu a pena o esforço.
Eu "alcancei o topo" umas vezes, e é tão bom ver o brilho de satisfação nos olhos de alguém, ver um sorriso no rosto…
E sabermos secretamente que contribuímos para isso, aliás que fomos o único e verdadeiro responsável por isso.
Ahhhhhhhhhhhhhh...que bem que sabe essa vitória só nossa...deixaria de fazer sentido se saíssemos por ai, a contar que "foi por causa de mim que..."bahhhhhhhhhh
beijos

sexta-feira, janeiro 27, 2006

Se tu viesses ver-me...

Se tu viesses ver-me hoje à tardinha,
A essa hora dos mágicos cansaços,
Quando a noite de manso se avizinha,
E me prendesses toda nos teus braços...

Quando me lembra: esse sabor que tinha
A tua boca... o eco dos teus passos...
O teu riso de fonte... os teus abraços...
Os teus beijos... a tua mão na minha...

Se tu viesses quando, linda e louca,
Traça as linhas dulcíssimas dum beijo
E é de seda vermelha e canta e ri

E é como um cravo ao sol a minha boca...
Quando os olhos se me cerram de desejo...
E os meus braços se estendem para ti...

Florbela Espanca

quinta-feira, janeiro 26, 2006

Esperar...por algo que não vem...

Lá fora chovia...muito, não se lembrava de ver tanta chuva assim...
Lá dentro, o sentimento era o mesmo de sempre...o de esperança.
Perguntavam-lhe frequentemente se valia a pena...
Ao que ela sempre respondia: - vale sempre a pena...
Porque um dia, sei que vai voltar...
E passaram-se dias, meses e anos...e ela continuava à janela...
E continuava à espera...de algo que já não vinha.
As pessoas, na rua passavam e olhavam...perguntando-se,
O que olhava ela, o que esperava ela, o que sentia ela...
Valeria a pena???Vale sempre a pena...respondia.
As pessoas lá em baixo, deixaram de ligar à figura singela e triste,
que estava à janela. Deixaram de passar, deixaram de perguntar...
Mas ela continuava lá...à espera, de algo que já não vinha...
O tempo, esse não existia já...nada existia, a não ser aquela janela
com vista para a esperança...
Tinha valido a pena??Perguntava-se...sim...vale sempre a pena...

Sobral de Oliveira

terça-feira, janeiro 24, 2006

Todo o tempo é feito de cinza...


(...) Só as arestas das mãos roçam ainda a cinza fina: o tempo, amor, o tempo»
(...) E todo o tempo é feito de cinza; Outubro de um só dia no céu da nossa vida»(...)
«Agora é tempo de deixar as palavras desabitadas, o miolo do silêncio (…) É hora de moldar corpos na folhagem dos lençóis, de as mãos serem barro (…)». É tempo de fazer pontes entre ilhas. (…) Morres em ti, amor, à sombra de noites ardidas. (…) É tarde: a solidão tem alma de fera, e a noite é imensa, quando se cresce: não há chuva que doa tanto, não há ave que te regresse.»

In, O Labor das Marés (João de Mancelos)

segunda-feira, janeiro 23, 2006

Brilhante...

Já passou a febre das Eleições...agora é que vão elas...a ver...
O "Só Ares", não fez nenhuma declaração...senão ainda dizia:
- votem no Cavaco...upsssssssssssssssssssssssssssss
Na sexta, ouvi numa só pessoa o seguinte...falava s/as Eleições, em quem ia votar e o que acontecia a quem perdesse e a quem ganhasse...então saiu-se com esta:
- "Quem vai para baixo, vai para baixo, quem vai para cima, vai para cima, quando está feito está feito..."
Eh pá...brilhante...Assim de repente, consigo ver claramente sobre quem falava...e do que falava...
Apeteceu-me dizer: - Obrigada, foi um momento lindo...
Beijo

sexta-feira, janeiro 20, 2006

Nem mais...


"O sentido do dever é uma coisa muito pessoal; decorre da necessidade de se entrar em acção e não da necessidade de insistir com os outros para que façam qulaquer coisa".

Madre Teresa de calcutá

Beijos

quinta-feira, janeiro 19, 2006

Ser ou não Ser...

Apanhei um balde de água fria...outro...mais um...e não aprendo...com uma pessoa amiga, sim amiga...pelo menos eu pensava que sim...eu pensava que era...bem, na verdade não deixou de ser, mas o sentimento que me move em relação a ela, é bem diferente do dela...deu-me a entender que a nossa relação era superficial...ela podia pensar assim, mas eu não...
Mas o que é preciso ser, ou ter para sermos considerados amigos de alguém??Eu já não sei...fiquei com a sensação de que tudo em que acredito, não faz sentido neste mundo...que parece não ser o meu...o que fortalece uma amizade??O que edifica esse sentimento?O que faz com que separemos à partida, quem vai ser nosso(a) amigo(a)??O que faz com que nos identifiquemos logo com alguém, e que nos faz dizer:- esta sim, posso confiar, é minha amiga, gosta de mim sem qualquer interesse...acreditamos nisso, anos e anos, enquanto dure...sim, porque nada é eterno...queremos acreditar que sim, que tudo é para sempre, mas é pura mentira...e uma perda de tempo pensar-se assim...
Pensei o amor durasse para sempre...
aquele primeiro amor de Liceu, que todos temos...enganei-me..
pensei que o sofrimento fosse eterno...também me enganei...ainda bem...
e a única coisa que ainda tive esperança, foi pensar que a amizade durasse para sempre...
mas voltei a enganar-me...
Porque na realidade, creio que nos agarramos à ideia de que é um sentimento para valer, e não uma simples amizade colorida...no fundo sabemos que não é para sempre, mas queremos ao menos que seja verdadeiro e que seja como nós o sentimos também...
E quando damos por nós, vemos que afinal o sentimento não é recíproco...
e que há uma grande distância entre o que sentimos e o que julgamos que a outra pessoa sente...e ai tomamos consciência, de que afinal demos tanto para nada...achamos que nunca foi apreciado...mas será que não mesmo??Eu quero acreditar que sim...e acreditar que as coisas mudam, as pessoas mudam, e os sentimentos, esses acompanham esse ritmo...
Quero acreditar que essa minha amiga, que me fazia sentir especial, por ter uma amiga como ela e por saber que eu seria especial para ela, que foi um instrumento do tempo...que é a mesma de sempre, mas que o seu conteúdo modificou-se um pouco por obra do tempo...que tudo desfaz...
Quando falo em tempo, falo em distância, em isolamento, em crescimento...em tudo, em nada...
Porque mudam as pessoas???Eu tive um amigo que me dizia, que as pessoas não mudavam, eram sempe as mesmas...mas que só eram assim, aos nossos olhos, quando começavamos a pensar nelas...será assim mesmo???Parece que já não me restam dúvidas...não foi a primeira desilusão que tive, com uma amiga, já tive uma outra, no passado...e com um amigo também...
E eu dizia para mim mesma,. que de hoje em diante tudo seria diferente...que não me podia dar tanto assim a uma amizade, sem saber se iria receber o mesmo de volta...
Mas é dificil passar à prática, porque eu não quero nada de volta, sabe bem receber claro, mas não dou, à espera de algo em troca, só espero é que o sentimento esse seja mútuo, será exigir muito??Talvez eu esteja errada, por isso levo com estes baldes de água fria de vez em quando...mas não aprendo...e volta e meia, estou lá...para aqueles amigos que nos dizem muito, e estão sempre ao nosso lado, ou, para aqueles que desaparecem no tempo, e que se um dia voltarem, serão bem recebidos, ou para aqueles, que nos dizem muito, mesmo estando tão longe...por vezes até nos dizem mais, que os que temos por perto...
Bejos e pórtémse mal...(ler com pronúncia algarvia)

quarta-feira, janeiro 18, 2006

Calhaus do nosso Portugal...


Esta foto é linda, não é???Mar…Rochedo…calhaus…
E por falar em calhaus…
Hoje quero falar-vos de algo muito importante.
Nomeadamente, naquele caso de extrema importância,
de que tanto se fala. Ora, assim sendo, e visto que tenho tanto para dizer, vou pois começar pelo principio, ou melhor dizendo pelo inicio. Mas posso afirmar que considero isso
muito importante, na medida em que por ser o que mais interessa, merece
por isso, toda a nossa consideração e claro, atenção…
Blá, blá, blá, blá, blá, blá, blá…
Podia estar aqui até…e sem dizer rigorosamente nada…
É o que mais tenho visto em entrevistas partidárias…e não só…claro…
Como uma que vi no outro dia, um músico a dizer porque ia votar em fulano tal…
pois ele conseguiu falar, falar e não dizer absolutamente nada, se não soubéssemos à partida de quem se falava, ficaríamos sem saber na mesma com a entrevista dele…o tipo podia estar a falar de qualquer pessoa.
É o nosso Portugal…é lindoooooooooooooooooo
Beijo

segunda-feira, janeiro 16, 2006

Alma perdida

Gostava de escrever algo meu, mas não estou inspirada, por isso deixo-vos assim:

Toda esta noite o rouxinol chorou,
Gemeu, rezou, gritou perdidamente!
Alma de rouxinol, alma de gente,
Tu és, talvez, alguém que se finou!

Tu és talvez, um sonho que passou,
Que se fundiu na Dor, suavemente...
Talvez sejas a alma, a alma doente
Dalguém que quis amar e nunca amou!

Toda a noite choraste... e eu chorei
Talvez porque, ao ouvir-te, adivinhei
Que ninguém é mais triste do que nós!

Contaste tanta coisa à noite calma,
Que eu pensei que tu eras a minh'alma
Que chorasse perdida em tua voz!

In Alma Perdida (Flobela Espanca)

sexta-feira, janeiro 13, 2006

Ler...ler...ler...que belo prazer



"En esos libros encontró el mundo digerido y las puertas abiertas a lo desconocido. Entendió a Cervantes y su ansia por leer "aunque sean los papeles rotos de la calle", y descubrió que podría vivir sin escribir, pero nunca sin leer. Borges le inocularía más tarde el virus de la lectura. "Soy un lector compulsivo. No puedo estar sin leer.Es puro placer, pero no comparto esas superticiones que existen en torno a la lectura, como la de tener que acabar un libro o leer libros llamados importantes, la de leer uno solo a la vez, la de no escribir en ellos. Un verdadero lector no cree en estas cosas".

Alberto Manguel

quinta-feira, janeiro 12, 2006

Pandora...

Sempre achei interessante ler e falar s/ a mitologia...sempre exerceu um fascínio s/ mim. Hoje vou falar-vos de Pandora...Já devem certamente ter ouvido falar de Pandora...e da caixa de Pandora...Pandora"a que possui todos os dons"...
"A maior dificuldade de relatar um mito não está em traduzir as suas múltiplas conexões e desdobramentos, mas em resolver onde parar, onde recortar este mito do todo da mitologia... Por isso, a história de Pandora começa antes da própria Pandora. "
Muito resumidamente, como um castigo para os mortais, Zeus ordenou ao Deus das Artes que concebesse uma mulher igual às deusas imortais, e que fosse dotada em todos os sentidos...daí nasceu Pandora "a que possuí todos os dons"...e enviou-a com presente a Epimeteu. Epimeteu tinha sido avisado de que não deveria aceitar nenhum presente dos Deuses, mas obviamente ficou tão encantado com Pandora que ignorou as recomendações que lhe tinham sido feitas.
Pandora trazia do Olimpo, um vaso fechado que não devia ser aberto, mas abriu e dentro dele saíram todos os males que assolam a humanidade...
Diz-se que Pandora abriu o vaso por ambição...por querer ser uma Deusa do Olimpo...
Daqui nasce a conhecida expressão, "a caixa de Pandora" que no sentido figurado, traduz-se em acções que são aparentemente bem intencionadas...mas que na verdade, revelam-se catastróficas...
Tenham pois cuidado com todas as Pandoras que temos entre nós...
que com muita astúcia e doçura levam-nos a acreditar que são realmente assim, como parecem...e de repente, sem darmos por isso, eis que "abrem a caixa" e revelam-se de uma maneira que até então julgávamos não ser possível...
Eu conheço muitas Pandoras, infelizmente...mas gostava de ter o dom de poder distinguir à partida, todas as outras que se cruzam no nosso caminho...
Beijos

quarta-feira, janeiro 11, 2006

Livro do Desassossego

Desculpem lá qualquer coisinha, mas apeteceu-me deixar aqui esta carta de Fernando Pessoa, ao seu amigo Mário de Sá-Carneiro:

"Escrevo-lhe hoje por uma necessidade sentimental - uma ânsia aflita de falar consigo. Como de aqui se depreende, eu nada tenho a dizer-lhe. Só isto - que estou hoje no fundo de uma depressão sem fundo. O absurdo da frase falará por mim.

Estou num daqueles dias em que nunca tive futuro. Há só um presente imóvel com um muro de angústia em torno. A margem de lá do rio nunca, enquanto é a de lá, é a de cá; e é esta a razão íntima de todo o meu sofrimento. Há barcos para muitos portos, mas nenhum para a vida não doer, nem há desembarque onde se esqueça. Tudo isto aconteceu há muito tempo, mas a minha mágoa é mais antiga.

Em dias da alma como hoje eu sinto bem, em toda a minha consciência do meu corpo, que sou a criança triste em quem a vida bateu. Puseram-me a um canto de onde se ouve brincar. Sinto nas mãos o brinquedo partido que me deram por uma ironia de lata. Hoje, dia catorze de Março, às nove horas e dez da noite, a minha vida sabe a valer isto.

No jardim que entrevejo pelas janelas caladas do meu sequestro, atiraram com todos os balouços para cima dos ramos de onde pendem; estão enrolados muito alto; e assim nem a ideia de mim fugido pode, na minha imaginação, ter balouços para esquecer a hora.
Pouco mais ou menos isto, mas sem estilo, é o meu estado de alma neste momento. Como à veladora do "Marinheiro" ardem-me os olhos, de ter pensado em chorar. Dói-me a vida aos poucos, a goles, por interstícios. Tudo isto está impresso em tipo muito pequeno num livro com a brochura a descoser-se.

Se eu não estivesse escrevendo a você, teria que lhe jurar que esta carta é sincera, e que as coisas de nexo histérico que aí vão saíram espontâneas do que me sinto. Mas você sentirá bem que esta tragédia irrepresentável é de uma realidade de cabide ou de chávena - chia de aqui e de agora, e passando-se na minha alma como o verde nas folhas.
Foi por isto que o Príncipe não reinou. Esta frase é inteiramente absurda. Mas neste momento sinto que as frases absurdas dão uma grande vontade de chorar.

Pode ser que, se não deitar hoje esta carta no correio amanha, relendo-a, me demore a copiá-la à máquina, para inserir frases e esgares dela no "Livro do Desassossego". Mas isso nada roubará à sinceridade com que a escrevo, nem à dolorosa inevitabilidade com que a sinto.

As últimas notícias são estas. Há também o estado de guerra com a Alemanha, mas já antes disso a dor fazia sofrer. Do outro lado da Vida, isto deve ser a legenda duma caricatura casual.

Isto não é bem a loucura, mas a loucura deve dar um abandono ao com que se sofre, um gozo astucioso dos solavancos da alma, não muito diferentes destes.

De que cor será sentir?

Milhares de abraços do seu, sempre muito seu,

FERNANDO PESSOA

P.S. - Escrevi esta carta de um jacto. Relendo-a, vejo que, decididamente, a copiarei amanhã, antes de lha mandar. Poucas vezes tenho tão completamente escrito o meu psiquismo, com todas as suas atitudes sentimentais e intelectuais, com toda a sua histero-neurastenia fundamental, com todas aquelas intersecções e esquinas na consciência de si-próprio que dele são tão características...
Você acha-me razão, não é verdade? "
(em 14 de Março de 1916)

terça-feira, janeiro 10, 2006

Digo-te Adeus...


"Não tu és da cidade aventureira
da cidade onde o amor encontra as suas ruas
e o cemitério ardente da sua morte
tu és da cidade onde vives por um fio
de puro acaso onde morres ou vives não de asfixia
mas às mãos de uma aventura de um comércio puro
sem a moeda falsa do bem e do mal
Nesta curva tão terna e lancinante
que vai ser que já é o teu desaparecimento
digo-te adeus
e como um adolescente
tropeço de ternura por ti."
O'Neill

"Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que a minha boca tem pra te dizer!
São talhados em mármore de Paros
Cinzelados por mim pra te oferecer.
Têm dolência de veludos caros,
São como sedas pálidas a arder...
Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que foram feitos pra te endoidecer!
Mas, meu Amor, eu não tos digo ainda...
Que a boca da mulher é sempre linda
Se dentro guarda um verso que não diz!"
Florbela Espanca

sexta-feira, janeiro 06, 2006

e-mails da treta...

Eh pá...vou aproveitar o que o grande Arqueólogo escreveu num comentário, aqui no MEU blog...QUE NÃO SE REPITA ESTE TIPO DE COMENTÁRIO A GOZAR COM O MEU BLOG...pronto, já estou calma...e deixar-vos aqui para lerem (pode haver quem não veja os comentários, bem na verdade até duvido que vejam o meu blog...tenho que colocar um contador...eheheh).
Isto porquê???A propósito daqueles e-mails da treta que recebemos diariamente (peço desculpa a quem me envia, das duas uma: ou já sabem que não gosto de recebê-los e fazem de propósito, ou se não sabem...então ficam a saber):

- "enviem a mensagem para 10 amigos 30 segundos depois de o lerem.se não fizerem quebram a corrente (o que é mau, diga-se)e se a quebram, num prazo de 24 horas cairá uma chuva de pianos em cima de cabeça (como se um não chegasse) e ficarão os homens sem erecção e as mulheres com. se enviarem a mensagem, uma menina que tem uma doença que ninguém conhece e que tem 3 anos há pelo menos 5, receberá 10 centimos por cada mensagem dados pela microsoft e ainda um telemóvel nokia oferecidos pelos próprios...."

Está o máximo, não está??De rir...dá vontade de enviar isto, para todas as pessoas que nos enviam esse tipo de mails...

Uma amiga minha, a querida Pat, disse-me uma vez (numa fase triste da vida dela), que se calhar as coisas tinham acontecido (prq na altura mandei-lhe um do género, daqueles que se manda just in case), por não reenviar esses ditos e-mails...e por isso agradecia se não recebesse nenhum...
Verdade ou não...abaixo esses e-mails da treta que além de nos fazer perder tempo, fazem-nos ter receios infundados se não enviarmos...
Beijo

Inimigo Público...O Néctar dos Deuses

Lindoooooooooooooooo...
Escolhi duas partes magníficas do "Inimigo Público - se não aconteceu, podia ter acontecido" (para quem não sabe, do Jornal Público), para quem não teve ainda oportunidade de ler :

-"Queda na neve de Sócrates - Sócrates promete abrir o outro joelho na Serra da Estrela. A indústria de turismo da Serra da Estrela garante que está habilitada a partir pernas tão bem como na Suíça:"É uma saloiice pegada ir lá para fora rebentar os joelhos quando se pode estraçalhar a perna toda no nosso país com a mesma qualidade".
eheheheheehheeh...brilhante, não acham????

-"Sondagem do "Expresso" leva 1254 portugueses a dar baixa do telefone fixo: - Conforme se pode ler na ficha técnica da sondagem do "Expresso", para o inquérito telefónico (o que se entende, porque ninguém tem coragem de perguntar a alguém, olhos nos olhos, "olhe desculpe, isto é para o 'Expresso': você gosta de levar com o malho na bilha?), "foram efectuadas 1980 tentativas de evtrevista", sendo que "1254 (63%) recusaram colaborar no estudo". Mas, ao que o IP apurou, não foi apenas com o "Expresso" que essas pessoas ficaram furiosas, mas com a PT também. "Então eu ando a pagar quatro contos de assinatura por mês, quando praticamente apenas ligo para a minha santa mãe, que está num lar de idosos, para receber um telefonema, a altas horas da noite, enquanto estava com a minha mulher no sofá a ver um programa muito bonito da TVI. a perguntarem-me se gosto de chupar pilas?!É para isso que pago a assinatura à PT?!", explicou ao IP Mário Antunes, um reformado de 68 anos de Azinha de Bastos. "Quatro contos por mês para me perguntarem, ao pé da minha mulher e tudo, se eu mordo a fronha?! E depois não é que a pequena cabrazinha que me telefonou ainda queria que eu passasse à minha rica mulher, para lhe perguntar se já alguma vez tinha lambido uma passarinha?! Mas que conversa de merda é esta?!É isto que anda a fazer o Horta e Costa na PT?! Ele nunca me enganou, com aqueles lenços de seda no bolso!!!...Mas de mim, esse gajo não leva nem mais um tostão!!!Que vá mas é perguntar ao filho dele se gosta de pegar de empurrão!!! Como se não bastasse, já é a quarta vez que esses gajos do "Expresso" me telefonam a perguntar se eu vou votar no Cavaco! Eu sempre digo que eu cá só votava se fosse no Oliveira Salazar, mas os gajos sempre insistem, 'mas tem a certeza', 'tem a certeza', 'olhe que o Cavaco é duro como o Salazar', até que eu digo 'está bem, voto no Cavaco, raios vos partam, deixem-me da mão'!!!...Mas agora, com o telemóvel da Vodafone que comprei ontem, isso vai acabar!!! E aviso já o "Expresso": se me enviarem um SMS a perguntar se gosto de levar com o Airbus 360 no hangar, vai o telemóvel pela janela!!!"

Oh...excelenteeeee
Beijos

Jon Stewart...

Parece que a Academia de Hollywood já escolheu quem vai ser o apresentador da próxima cerimónia dos Óscares...o grande Jon Stewart...Eu não falaria nisto, se não fosse esta a escolha...sabem claro, de quem falo...eu sou fã do Stewart...sou igualmente fã do Jay leno e do Conan O'Brien...os 3 são excepcionais, cada um com o seu estilo de humor...muito bons mesmo. Lembro-me de ver parte de um programa da Oprah, em que o convidado era o Stewart e foi lindo...A Oprah tem uma carrinha,ou se quiserem um camião dos sonhos...sabem. Então, era o Stewart a contar que tinha feito algo semelhante...ehehehehe...tinha também uma carrinha dos sonhos...e que tinha ido (e mostravam tudo no programa da Oprah...era só rir), a um restaurante de fast-food, com a carrinha dele - a carrinha dos sonhos- como a Oprah tinha- para satisfazer um sonho de uma rapariga que lá trabalhava, que tinha escrito à Oprah- então vemos o Stewart a sair da carrinha dele dos sonhos (uma carrinha toda velha, toda podre), com um balão e uma carta na mão. Entra no restaurante e pergunta pela pessoa tal...Ela diz sou eu...e ele pergunta se ela já tinha ouvido falar do programa da Oprah. E ela não ouve mais nada...começa a gritar feita histérica, atira o avental para o chão, o boné, sobe para cima do balcão, e começa a insultar tudo e todos e que se demitia e blá blá blá, porque a Oprah tinha recebido a carta dela e que já não precisava daquilo para nada...e o Stewart...mas, mas...com a carta e o balão na mão...nem conseguia falar, porque ela gritava com toda a força que tinha. Até que ela se acalmou e ele conseguiu dizer...que não era do programa da Oprah, que era o... e que ela já devia ter ouvido falar dele. E ela a olhar para ele com cara de nojo...e ele continuou...Sei que escreveu para a Oprah e decidi vir cá, com a minha carrinha dos sonhos...se puder vir cá fora, à minha carrinha dos sonhos...ela já muito séria a olhar para ele, vão os dois lá para fora e está o reboque da polícia a levar a carrinha dos sonhos do Stewart...a cair de podre...eheheheheheheheheheheheh
Foi lindo...lindo...
Quem não sabe de quem falo, veja na Sic Radical (se puder), porque vale mesmo a pena...
beijos

Ainda...

Ontem ia no comboio e tive de “levar” com esta conversa….
Sim, ainda esta conversa, s/ o caso das duas miúdas apanhadas aos beijos num Liceu em Gaia…
”deviam era de ser castigadas, isto no meu tempo não era assim…o que elas mereciam era um colégio interno”; "eu sei bem o que elas pecisavam...", não preciso continuar com as "alarvidades" que ouvi…
Ouviram certamente falar s/ este caso, das duas alunas supostamente “lésbicas” apanhadas aos beijos...dizemmmmmm...
Teria sido mesmo assim??É impressionante que em pleno Séc .XXI isto seja notícia…
Não me esqueço de ouvir na rádio, o comentário do Director do Conselho Directivo da Escola:
“- Não há necessidade de se lambuzarem uma na outra…
Eheheheheheh, lambuzar????Mas…mas…mas…
Primeiro, Tradução de Lambuzar = sujar; pôr nódoas de gordura; besuntar; emporcalhar
Segundo, não terá sido esta expressão muito mais forte do que a cena que realmente aconteceu??
Eu confesso que fiquei chocada quando ouvi…lambuzar…lambuzar...lambuzar…vinda da boca do Director Do Conselho Directivo…
E ainda para mais, disse que não se tratava de discriminação, que seriam igualmente repreendidos se fosse um um rapaz com uma rapariga...pois sim...
Eu acho lamentável essas miúdas terem sido notícia por isso…ou então, era o Director que precisava de um pouco de protagonismo…
E mais lamentável ainda, que se continue a ouvir disparates s/ isso no caminho p casa…

quinta-feira, janeiro 05, 2006

Picket Fences

Ontem vi a Série Picket Fences...Uma execelente série, devem certamente concordar comigo...ou não...
Uma série em que a complexidade das histórias prende-nos a cada segundo...como se estivessemos a ler um livro, no qual não conseguissemos parar...devorando folha a folha, até chegarmos ao limite da nossa exaustão, só para saber qual o desfecho...
Com esta e muitas outras séries é assim...Um dos casos do espisódio de ontem, era s/ um dentista seropositivo...a questão era que ele tinha ocultado esse facto aos pacientes e que por isso, tinha sido demitido...o caso foi para tribunal para ver se conseguia ser readmitido no consultório. Então, o problema era que punha em risco a vida dos pacientes...e que estes como não sabiam, não tinham hipótese de escolha.
A defesa alegava que ele não era obrigado a contar, desde que tomasse as devidas precauções diárias, no tratamento dentário com os pacientes...de modo a que eles não corressem o risco de vir a ser infectados.
E claro, ele ganhou, porque o que estava em causa, na realidade, não era ele ter omitido o facto, mas sim, o preconceito existente...porque mesmo que ele tivesse contado, tinha sido certamente demitido...porque as pessoas são ignorantes, não se informam, e como tal, têm medo do que desconhecem.
Esse mal, o preconceito, a discriminação, por mais que digam que não há, está em todo o lado...à esquerda , à direita, no centro...e basta por x uma simples brisa, para aparecer com toda a sua força...
Ok ok, eu bem sei que é só uma série..mas retrata mto bem, mtos dos problemas da nossa sociedade...É muito fácil apontar o dedo, não é?? Mas, nunca ninguém experimenta colocar-se do outro lado...e esse outro lado, é um enorme vazio...uma enorme solidão, em que essas pessoas tentam agarrar-se desesperadamente a algo, e esse algo não tem cheiro, cor, nome, nem rosto...mas é o que lhes faz continuar...e é somente uma simples palavra de apoio...um simples gesto de alguém que mostra que afinal, não estão sós...
beijossssssssssssss

quarta-feira, janeiro 04, 2006

Love should...

Uauuuuuuuuuuuuuuuu...acabei de ouvir...
Deixo-vos com esta letra dos Moby... uns dizem que está mto comercial...
Mas, comercial ou nao...é lindaaaaaaaaaaaaaaaaa. Venham mais destas...assim "comerciais"...

So we sleep in beds
We've never made
Holding close to love
When love should fade
Holding on to this is the best thing we'll ever do
Morning sun is sweet and soft on your eyes
Oh my love, you always leave me surprised
Before my heart starts to burst
With all my love for you

And know how it rains
And know how it pours
I never could feel this way
For anyone but you
And know how it rains
And know how it pours
I never could feel this way
For anyone but you

So it takes some time
And slip away
Holding on to love
When love should stay
Holding on to you is the best thing I'll ever do
Evening sun is sweet and soft in your face
So I'll never ever leave this place
I feel my heart start to burst
With all my love for you
(...)

"Sair daqui: esta é a minha meta"

Disse-me uma amiga ontem, que estava cansada...E eu perguntei mas, cansada do quê?? Já paraste um pouco para olhar para a tua vida??
E já reparaste na vida de outros à tua volta??
Ao que ela me respondeu: - já parei e já olhei à minha volta...por isso mesmo, digo que estou cansada.
Confessou-me então, que o seu cansaço tinha uma única origem: o de estar no mesmo lugar, que se sentia presa. Que estava farta de tudo e que queria partir, começar do nada...Muitas pessoas sofrem, por assim dizer, desse mal...
Estão cansadas do mesmo lugar, do mesmo trabalho, das mesmas pessoas, e outras cansadas de si mesmas...
Muitas pessoas querem sempre começar uma nova vida, num outro lugar...Mas, muitas x falta-lhes a coragem, para dar o primeiro passo, para deixarem tudo o que já conseguiram conquistar até então, para deixarem as raízes...
Perguntei então à minha amiga, o que ela queria fazer e para onde queria ir...
Ela respondeu que não sabia, mas de uma coisa tinha certeza, queria partir, sair daqui...
É sempre assim, quem desse lado do ecrã, não se identifica um pouco com isto??
O querer partir, mesmo não sabendo para onde, mesmo não sabendo o que se quer, mas sabendo sempre...
o que não se quer...e o que não se quer...é ficar... seja no mesmo sítio, seja da mesma maneira...
Vou deixar-vos uma linhas que traduzem bem esse espírito, que habita um pouco em todos nós...


"Dei ordem de irem buscar meu cavalo ao estábulo. O criado não me compreendeu. Fui eu mesmo ao estábulo, ensilhei o cavalo e montei. Ao longe ouvi o som de uma trombeta, perguntei o que significava aquilo. Ele de nada sabia, não ouvira nada. No portão deteve-me, para perguntar-me:
-Para onde cavalga o senhor?
-Não o sei - respondi -. Apenas quero ir-me daqui, somente ir-me daqui. Partir sempre, sair daqui, apenas assim posso alcançar minha meta.
-Conheces então, tua meta? - perguntou ele.
-Sim - respondi eu -. Já disse. Sair daqui: esta é minha meta."

In, A Partida (Franz Kafka)

terça-feira, janeiro 03, 2006

Mandar ou não mandar...eis a questão


Este ano disse a mim mesma, que não iria mandar msg para ninguém...a desejar um feliz ano novo...
mas, fui recebendo daquelas pessoas sempre
tão amorosas que sabemos que se lembram de nós o ano todo...e não resisti... fui mandando, umas atrás de outras, mesmo para quem nada me disse.
Para o ano, a ver se faço de maneira diferente, faço uma listinha (como houve quem fizesse), de pessoas a quem quero mandar postais???
Nãaa...msgs mesmo...e pode ser que desista...só de ver a lista.
Deixo-vos agora, com umas linhas de um artigo que li do Psicólogo Eduardo Sá.
Acho que é interessante, porque parece que por x, todos nos esquecemos de viver com sabor...a vida...

E como me disse uma vez, o grande Bruno Schiappa:
- Acredita no que queres que seja verdade e será verdade para ti-
Vamos então viver a vida, acreditando que tudo...é possível...

"...namorar torna-nos comoventes e audazes. Tontos, brincalhões
e ternurentos. Num brilhozinho que escorrega cá dentro, transforma
cada momento num foguete que vive o tempo que dura o seu clarão
de eternidade. E, por mais que haja pessoas que nos turvem o olhar, aceitar
a vida como nossa namorada fará (de um dia igual aos outros) um ano novo,
onde alguém se ilumina (só para nós), sempre que nos mostre (de forma colorida),
que, de qualquer forma, sobre um tecto de núvens brilha (sempre) o sol."

Eduardo Sá
beijos